Nota fiscal Eletrônica.

Emita diretamente no sitio da Prefeitura Municipal sua Nota fiscal Eletrônica.

Mas afinal, o que é NFe?

A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é um documento gerado digitalmente pela empresa que está realizando a transação comercial, por exemplo, a venda de um produto.

Além de documentar fiscalmente as operações de venda, a NF-e também é responsável para acobertar as demais operações, dentre elas a entrada de mercadorias, operações interestaduais, operações de devolução ou transferência de mercadorias, bem como para comprovar operações de simples remessa.

Para os varejistas, é importante saber quando se deve emitir a NF-e ou a NFC-e, já que ambas documentam as operações de venda de um produto. Em linhas gerais, a NFC-e é utilizada para venda ao consumidor final e a NFe para as demais operações.

Aqui no InfoVarejo já esclarecemos as diferenças entre a Nota Fiscal Eletrônica (NFe) e a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFCe). Se você tem dúvidas em relação à utilização de cada uma delas, é indicado conferir esse artigo: NF-e e NFC-e: qual a diferença entre esses documentos?

Emissão da NFe

Para a emissão de uma NFe necessariamente a empresa terá que usar o certificado digital e um software emissor.

O certificado digital é a assinatura eletrônica da empresa, mecanismo responsável por garantir a segurança dos dados transmitidos à SEFAZ durante a emissão de uma nota fiscal eletrônica. Além disso, esse certificado proporciona a validade jurídica para o documento, garantindo a procedência (origem) dos dados.

Quer saber mais sobre o certificado digital? Baixe gratuitamente nosso material: O que você precisa saber sobre certificado digital.

O software responsável pela emissão da NFe tem dupla função. Ele realiza a transmissão das informações da nota fiscal para a SEFAZ, utilizando o certificado digital, e recebe a resposta com uma chave de autorização, para então gerar a nota fiscal eletrônica.

Além da nota fiscal em si, um bom software deve processar todas as informações, garantindo o correto lançamento das alíquotas de impostos e fazer toda a gestão de estoque, vendas e financeiro.

Após a autorização pela SEFAZ e consequente emissão da nota, tanto o receptor da nota quanto a empresa emissora podem consultar a NFe pela internet.

O único documento impresso gerado é o DANFE (Documento Auxiliar de Nota Fiscal Eletrônica), que serve como um extrato, contendo o resumo das informações presentes na nota e a chave que dará o acesso pela internet.

Armazenamento da NFe

Se no passado as notas fiscais em papel tinham que ser arquivadas, com a NFe é a mesma coisa. Entretanto, em vez de guardar papel, deve ser guardado o arquivo eletrônico correspondente à NFe gerada.

As notas fiscais servem como comprovantes das transações mercantis, bem como prova de cumprimento da legislação fiscal. A regulamentação vigente atribui ao gestor do varejo a responsabilidade de manter os documentos eletrônicos. Esse arquivo eletrônico possui o formato XML e deve ser armazenado por um período de 5 anos.

Contar com um software de gestão, que emita a NFe e faça o armazenamento dos arquivos XML é fundamental, principalmente se esse armazenamento for feito de forma automática e na “nuvem”, concomitantemente às operações do dia a dia da empresa.

Leiaute da NFe

O conteúdo do arquivo XML (arquivo eletrônico) espelha o conteúdo da NFe. Entretanto, ele observa o leiaute especificado pela legislação.

É natural que esse leiaute sofra mudanças à medida que a própria legislação sofre alterações. Como o objetivo é garantir a padronização por todos os contribuintes, o FISCO lança versões de tempos em tempos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content